Banco do Nordeste planeja orçamento do FNE para 2015

Banco do Nordeste planeja orçamento do FNE para 2015

O Banco do Nordeste concluiu sua programação orçamentária para aplicação dos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) para 2015, em Alagoas. A construção do orçamento é realizada de forma coletiva e contou com a participação de representantes das Secretarias de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, e de Agricultura e Desenvolvimento Agrário, da Fecomércio, FETAG, FAEAL, Sebrae, entre outros.

A previsão de aplicação é de R$ 619 milhões, a serem investidos em projetos produtivos de mini, micro, pequenos, médios e grandes produtores, bem como dos agricultores familiares, nos diversos setores da economia alagoana, como agricultura, pecuária, indústria, agroindústria, turismo, infraestrutura, comércio e serviços.

“Esse ano, particularmente, o Banco comemora 25 anos de operacionalização do FNE, sua principal fonte de recursos. O Fundo é uma conquista regional obtida na Constituição de 1988, que destinou 1,8% do produto da arrecadação dos impostos sobre renda e proventos de qualquer natureza e sobre produtos industrializados para aplicação em programas de financiamento aos setores produtivos da área de atuação da SUDENE, que equivale aos estados nordestinos e do Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo”, ressalta o Superintendente Antônio César de Santana.

Nesses 25 anos, as conquistas foram inúmeras, já que o FNE é o responsável por 50% a 60%  de todas as operações de longo prazo realizadas na região. São recursos subsidiados, com taxas de juros bastante competitivas, contemplando desde o agricultor familiar, que é atendido pelo Pronaf e Agroamigo, até o microempreendedor urbano, rural, e também as MPEs, pequenos e grandes empresários que podem concretizar importantes projetos produtivos e contribuir para o desenvolvimento do país.

Em Alagoas, as aplicações do FNE saltaram de um patamar de R$ 13 milhões, em 2002, para mais de R$ 640 milhões, no ano passado, totalizando, em 12 anos, cerca de R$ 3,7 bilhões aportados na economia do Estado.

Fonte: Tribuna Hoje

 

Deixar comentário